Outono no Rio
por Fabiane Pereira

22.03.2016

Outono no Rio

Outono é minha estação preferida e juro que nada tem a ver com meu aniversário ser em abril. Antes de continuar já preciso fazer uma correção. Outono no Rio é minha estação preferida. As temperaturas caem (um pouco), os ânimos se acalmam e o clima de alalaô que se instala na cidade a partir da queima de fogos do réveillon dá lugar àquela euforia cotidiana que carioca adora e convive bem. A cidade dá uma esvaziada e os moradores voltam a usufruir de seus bens...quem fica, fica por puro amor (aqui não é como em SP que muitos moram por necessidade).

 

É bem verdade que o purgatório (da beleza e do caos) não vira o paraíso (parece que ele não existe) mas o Rio no outono ganha cores e possibilidades (quase) infinitas para todos os gostos. Os esportistas (ainda mais em ano de Olimpíadas) estão muito bem servidos. Ciclovias sendo ampliadas e a população (pedestre e motoristas) conscientizando-se, enfim, que bicicleta é um carro a menos e neste momento qualquer menos é (muito) mais. Os adeptos da natureza podem se banhar um dia no mar e outro na cachoeira (ô sorte!). Os boêmios podem ir ao Semente ou na Pedra do Sal em plena segunda-feira (tudo bem que dá pra fazer isso em qualquer estação mas é no outono que estes dois locais ficam repleto de 'locais' e eu gosto disso).

 

As livrarias ficam cheias, as reuniões de trabalho voltam a ser marcadas nos cafés e ganham charme, os cinemas exibem todos os filmes ganhadores do Oscar, os centros culturais recebem mais visitantes, os pescoços são adornados por cachecóis e o céu...ah, o céu do Rio no outono tem uma cartela de cores que faz qualquer ateu acreditar na divindade.

 

Sei que o verão está para o Rio como a goiabada está pro queijo, o Buchecha pro Claudinho, o cafuné está para os afetos e os beijos tórridos pros apaixonados mas, às vezes, é bom ver a cidade sob outra perspectiva ficando atento aos sinais.

Tudo a ver com

Moda Inverno no Submarino