Fabiane Pereira nas ondas do rádio e no Sonar
Fabiane Pereira

22.05.2015

Fabiane Pereira agora também escreve pro blog do Submarino

O rádio é o grande companheiro da Fabiane. No trânsito, no trabalho... Vintage? Sim, e fofo.

Muito prazer!

 

Um bom livro. Pensando melhor, vários bons livros dentro de ecobags espalhadas pela casa. Algumas revistas ruins (ok, o ruim é relativo!), maçã, agenda de papel, fone de ouvido, contas a pagar, Sorine, pensamentos mil, anotações perdidas na bolsa. Será que ligo pra minha mãe agora? Melhor esperar chegar em casa e falar com ela calmamente.

 

casa1_ok

 

Dirijo, todos os dias, num trânsito caótico (moro no Rio de Janeiro). O rádio é minha companhia constante. Ouço rádio com mais frequência do que a maioria das pessoas que conheço. Muitos artistas e inúmeras canções ainda me são apresentadas pelas ondas do rádio, e gosto muito desse meu lado vintage. Gosto tanto, que há três anos apresento o programa mais legal do dial carioca (não me cobrem imparcialidade!): o Faro MPB.

 

Ao longo de trinta e quatro anos, já li Guimarães Rosa, Simone, Barthes, Sartre, Machado, Rumbaut, Wisnik e Nuno Ramos. Já mergulhei nas obras de Noel, Racionais, Chico, Tim, Vinicius, Buchecha... Sou fã do Jeneci, Criolo, Tiê, Alvinho, Domenico, Bem, Emicida, Letícia, Lucas, Jonas, Ava, Cícero, Silva... Já desisti de dar a volta ao mundo, de ser bailarina e de ficar milionária.

 

casa2_ok

 

Áries com ascendente em capricórnio e lua em touro. Essa conjunção astral me faz teimosa como uma mula e persistente como um pernilongo em noites quentes. Recentemente lancei meu primeiro livro, mas nele não há nenhuma linha escrita por mim. Trabalhar é uma das minhas atividades preferidas e criar projetos é uma das minhas motivações. Também gosto de ler, escrever e fazer terapia.

 

Gosto de viajar, mas gostaria muito mais se não dependesse dos aeroportos. Odeio aeroportos, mas dou check-in. Odeio ter que mudar de portão três vezes para chegar a São Paulo. O melhor de São Paulo é usar casaco. Tem o Manioca também e a Casa de Francisca. Tá, eu me rendo: o Auditório Ibirapuera, a feirinha da Praça Benedito Calixto, a Augusta e as festinhas nas casas dos amigos tiram sorrisos sinceros do meu rosto (e estes dois últimos ainda me deixam de ressaca).

 

Após protagonizar a canção de Tom, o avião pousa no Santos Dumont. Pego um táxi que percorre o Aterro do Flamengo, passa pela praia de Botafogo (vejo o Cristo e o Pão de Açúcar... Que cidade linda!), entra na Mena Barreto e, finalmente, me deixa em casa. Tiro os sapatos e não desejo mais nada. Ligo a TV, vejo Silvio Santos, tento fazer as receitas da Bela, arrumo minhas gavetas, jogo água nas plantas, respondo meus e-mails (mentira, todos já foram respondidos via iPhone em alguma brecha), ligo o ar e durmo. Sem remédio. Aliás, não tomo remédio quase nunca. Ah, antes, ligo pra minha mãe. E isso é bom.

 

Fabiane Pereira é jornalista, sócia da Valentina Comunicação, apresentadora, roteirista e programadora musical do programa Faro MPB (rádio MPB FM). Trabalha com música há mais de dez anos e espera que assim seja para o resto da vida.

Tudo a ver com

As amadas vitrolinhas do Submarino