Dobremos os ansiolíticos
por Fabiane Pereira

18.03.2016

Remédios

Ontem publiquei aqui um texto batizado de Mea Culpa. Só que de ontem pra hoje tanta coisa aconteceu neste BraZil de meu Deus que me senti na obrigação de escrever outro pra mantê-los informados mesmo sabendo que quando este for publicado muita coisa daqui (ou tudo) já será outra coisa.

 

Mas tentemos manter o otimismo. Um whisky cowboy por favor e "vamo q vamo". Antes de mais nada, faço uma correção (olha a mea culpa!!): a médica que atendeu o filho do prefeito do Rio não foi demitida e já voltou a trabalhar normalmente no mesmo Lourenço Jorge. Abafa o caso.

 

Mas ele não consegue ficar longe dos holofotes por muito tempo e já voltou à berlinda batendo recordes dignos do Guinness Book. Pego num grampo da PF (calma que falaremos mais sobre isso adiante), o prefeito conseguiu a proeza de se queimar com todos os anti-PT ao babar o ovo do Lula; com o Governador, seu colega de partido; com Dilma, presidenta que ele ajudou a eleger; com os pobres (ou seja, com a massa que o elegeu) e com as cidades de Maricá, Araruama e São Pedro d'Aldeia. Não é pouca coisa. Mas claro que ele já "tratou de se retratar" e se você não (ou)viu, o google taí pra isso.

 

Verdade seja dita: só morre de tédio neste país quem quer e mesmo assim tem que querer muito. Num intervalo de 24 horas, ex-presidente foi nomeado ministro, tomou posse e foi destituído. Tudo isso com cobertura completa da maior empresa de comunicação do país. Mas não é só a maior TV do Brasil que edita o que quer. Waly Salomão (salve!) já dizia: a memória é uma ilha de edição. Muitos esquecem do passado e espalham o ódio digitalmente.

 

A coisa tá tão louca que nem os advogados se entendem. As OABs do Rio e de SP emitiram notas oficiais completamente contrárias. É preciso tempo e muita boa vontade pra (tentar) acompanhar todos os acontecimentos. Ah, parênteses: é preciso também ter gôndolas pra morar no Rio porque esta Veneza tupiniquim alaga todos os dias. Bastam alguns minutos de chuva e as águas sobem até metade das nossas canelas cariocas extorquidas por tantos impostos.

 

Pra morar no Brasil hoje temos que ganhar mais do que ganhamos, e tomar mais ansiolíticos do que o permitido pela Organização Mundial de Saúde. É preciso sorte e uma noção de dress code para sair de casa porque há manifestações todos os dias e uma cor errada pode ser fatal e não falo (infelizmente) no sentido figurado.

 

O brasileiro descobriu que é corrupto. Quer dizer, descobriu que só certos políticos são corruptos porque a corrupção é sempre um defeito do outro. Subornar o guarda, dirigir sob efeito de álcool, fechar o cruzamento, não declarar o imposto de renda corretamente e muitas outras coisas do nosso cotidiano não fazem parte deste livreto, uma espécie de "guia prático da corrupção". Segundo este guia escrito por (acho) alienígenas, a corrupção só existe num partido e foi inventada por um cara que chegou ao mais alto cargo público da nossa república. Sabe-se lá como e por quê.

 

Há poucos dias uma pesquisa divulgada pelo Instituto Paulo Montenegro e a ONG Ação Educativa constatou: um em cada quatro brasileiros pode ser considerado analfabeto funcional. Trocando em miúdos, apenas 8% da população brasileira são considerados proficientes em português, ou seja têm completa capacidade de entendimento. A partir disso é fácil entender porquê a fúria se resume a manchetes encontradas sem qualquer esforço nas bancas de jornais ou em posts mal escritos e pessimamente apurados.

 

Por tudo isso, se eu pudesse fazer um único pedido ao Gênio da Lâmpada seria: dobre a minha dose de ansiolíticos. Um pedido coletivo seria tentador mas lembremos sempre que o meu direito termina quando o seu começa.