blablasofia
por Fabiane Pereira

23.07.2016

fim do mundo

Não é que esteja frio, não é nem que o inverno carioca esteja atípico, acho que a gente está observando o fim do mundo ao vivo, juntos, pela TV, pela tela do computador, e na telinha do celular. Alguns celulares têm até telonas. Enfim, é triste. Não é nem que eu não ame criança ou bichos de estimação mas uma criança chorando sem parar e um cachorro latindo ininterruptamente são coisas difíceis de lidar, não menos que um alarme de carro, idem sem parar. Na verdade o problema é o sem parar. As crianças e os bichos isolados nem me incomodam tanto mas juntos ferem a alma. Não, eu não sou má, só não simpatizo com os bichos. Com as crianças eu simpatizo. Aliás, quero parir três. Mas voltando ao fim do mundo, não é que eu seja terrorista, mas vez ou outra, quando estou naqueles dias, penso se algum suicida que ainda não realizou seu desejo, topa cometer o ato ao lado do Cunha. Ao lado não. De mãos dadas com o Cunha. Seria um grande ato. Não é que eu esteja chocada com o andar da carruagem no Brasil, esse país de vigésimo mundo. Opa, carruagem é na terra da rainha, aqui é carroça mesmo. Mas como eu dizia, não é que eu esteja chocada com o andar da carroça no Brasil, esse país de vigésimo mundo, é que têm coisas que cortam o lugar da fúria e atingem uma melancolia intrínseca. Mas voltando à terra da rainha, eu penso que me mudar de país seria a solução, me empolgo e ligo a TV pra espairecer. Onde mais se espairece nos dias de hoje? Nem precisei zapear, o aeroporto sujo de sangue, aqueles rostos apavorados e os comentaristas falando mais do mesmo estavam em todos os canais. Pior, estão em todas as partes do mundo. Não é que eu seja contra as religiões. Nem contra os religiosos. Mas esta propagação do conservadorismo ainda vai nos levar à 3ª guerra mundial. A 3ª guerra mundial declarada porque a não declarada já vivemos desde 11 de setembro de 2001 e não é que eu seja pessimista mas o mundo vai de mal a pior e sem parar.